17/02/2017 Sem Comentários

A MINHA CASA

A Minha Casa
Neste primeiro semestre de 2017 estou pregando as expressões ditas por Jesus.
No ultimo sermão o tema foi: POR MINHA CAUSA. Bem-aventurados sois vós quando POR MINHA CAUSA vos injuriarem e vos perseguirem e mentindo disserem todo mal contra vós. Mateus 5:11-12.
Tema de hoje: A MINHA CASA. (De Deus, é Claro)
Como introdução eu leio 2 Timóteo 4:1-5. Onde Paulo orienta Timóteo a que pregue a Palavra.
Alguns sermões são mais difícieis que outros. Os próprios discípulos acharam duro aquele discurso de Jesus registrado em João 6. Eles disseram: Duro é este discurso. João 6:60.
Vamos orar e ler a Palavra de Deus:
Mateus 21:12-17. Ler o texto. A expressão A Minha Casa, Jesus buscou em Isaías 56:7.
Mateus, Marcos e Lucas falam dessa que é a segunda purificação do Templo e João não fala.
Em contrapartida João fala da primeira purificação do Templo e os outros evangelistas não falam.
João 2:13-17. A primeira purificação, na primavera do ano 28 d. C.
A segunda, no final do ministério terrestre, conforme acabamos de ler.
Vida de Jesus, 89. “No dia seguinte Jesus entrou no templo. Três anos antes, Ele havia encontrado homens vendendo e comprando no átrio externo e os havia repreendido e expulsado. Agora ao retornar, encontrou o mesmo comércio ali. O átrio estava cheio de bois, ovelhas e aves que eram vendidos aos que desejavam oferecer sacrifícios por seus pecados. Os que se ocupavam desse comércio praticavam extorsão e roubo de toda espécie e tal era a balbúrdia e o alvoroço do lado de fora que os adoradores eram seriamente perturbados”.
Jesus expulsou 3 classes de pessoas:
=Os que vendiam e compravam.
=Os cambistas, que trocavam o dinheiro.
=Os vendedores de pombas.
Todas essas coisas eram necessárias para a adoração.
Mas, os líderes haviam perdido o foco.
Nem reconheceram Aquele cujos sacrifícios representavam.
João 1:11. Veio para o que era seu, mas os Seus não O receberam.
Eram aproveitadores da religião.
Qual é nossa tendência hoje?
Contemporizar ou racionalizar.
A religião tal, é o retrato desse texto.
Ou, este sermão seria bom para o fulano escutar.
Não, nada disso!
Nós devemos olhar para nossa igreja, para nós mesmos.
Jesus chegou no Templo. O vozerio das pessoas e o mugido dos animais cessaram. Todos olhavam o Filho de Deus, atônitos e temerosos. Naquele instante, a divindade irrompeu através da humanidade. O silêncio tornou-se quase insuportável.
Finalmente Ele disse em voz clara e com tal poder que sacudiu as pessoas como uma violenta tempestade:
“Está escrito: A Minha casa será casa de oração. Vós porém, a transformais em covil de salteadores”.
Sabem o que aconteceu?
Com toda pressa todos saíram do templo, levando consigo suas mercadorias.
A Bíblia diz que Jesus:
Expulsou os que vendiam e compravam.
Destruiu as mesas dos cambistas.
Derrubou as cadeiras dos que vendiam pombas.
Porém, Jesus não fez nada contra os animais e as aves.
Deus não cobrará dos que são usados como objetos, mas cobrará dos líderes que usam homens e mulheres como se fossem objetos.
Logo em seguida o átrio ficou repleto de enfermos que eram trazidos a Jesus para serem curados. Alguns já estavam morrendo. Essas pessoas aflitas sentiam sua enorme necessidade.
Ao olharem suplicantes para Jesus, encontraram em Sua face ternura e compaixão.
Jesus recebeu os doentes gentilmente e ao toque de Suas mãos a doença e o sofrimento desapareciam. Ternamente acolhia as criancinhas em Seus braços, acalmando seu choro irritado e tirando de seus pequenos corpos a dor e a doença. Eram devolvidas às suas mães risonhas e curadas.
O que aconteceu naquele dia é o que deveria acontecer todos os dias em nossas igrejas. Estamos doentes, morrendo, aflitos, chorando nossas perdas. Nossos filhos precisam de cura e libertação!
Há muitas aplicações nesse texto:
A primeira delas é que o templo é a Igreja. A igreja precisa ser purificada.
Uma outra é que o templo é o nosso corpo, 1 Coríntios 6:12-20.
O templo precisava ser purificado.
O culto havia se tornado uma desculpa para o comércio fraudulento. Os animais eram vendidos a preços exorbitantes.
As moedas estrangeiras não eram aceitas nas caixas de ofertas. Por isso deviam ser trocadas.
O culto era uma desculpa para se tirar vantagens.
Hoje as pessoas buscam a Deus porque desejam alguma vantagem.
Não há comprometimento. Buscam a Deus quando precisam, mas quando não precisam mais jogam a Deus no lixo.
O pensamento hoje é: o que eu ganho em servir a Deus?
Os líderes religiosos daqueles dias, dificultavam o acesso a Deus com suas atitudes profanas.
Em alguns aspectos a igreja hoje também dificulta a aproximação dos adoradores a Deus.
Lembram das indulgências? Da idade média?
O que diríamos do espírito capitalista de hoje?
Deixamos de pregar um Jesus que salva o ser como um todo, para falar de um Jesus financista, ou economista, que vai dar riquezas aos fiéis.
Purificar o templo significa tirar da igreja tudo que atrapalha ou tudo que se interpõe entre o adorador e Deus.
Purificar o templo significa tirar de nossa vida tudo que não deve estar no templo de Deus.
O que não serve para Deus no Templo que é a igreja, também não serve para Deus no Templo que é nosso corpo!
O templo deve ser purificado para ser um canal de bênçãos.
A igreja de hoje passa por um momento muito semelhante ao ocorrido nos dias de Jesus. São líderes que não ensinam as verdades do evangelho de Jesus Cristo, mas usam do evangelho para se dar bem na vida às custas da fé alheia de cristãos que buscam bençãos a qualquer preço.
Deveríamos ter em mente ao adentrarmos a casa do Senhor, o episódio de Isaías 6:1-8.
Deus enchia o Templo.
Serafins com 6 asas adoravam.
Isaías foi tocado pelo fogo de Deus.
A Minha Casa, como disse Jesus, deveria proporcionar vida e salvação, alegria e louvor.
Foi o que aconteceu ao Jesus purificar o Templo.
Eu afirmo a vocês que Deus está aqui em Sua casa de oração.
Para perdoar e purificar.
Para restaurar e curar.
Para transformar e salvar.
Está você pronto para ser tocado pelo fogo de Deus?
Venha aqui perto e vamos orar ao Senhor para que nos purifique!!!

Pastor Stina
Pastor Sênior da Igreja do UNASP-SP
18/02/2017

Deixe um Comentário